Perguntas frequentes

Além da grande integração com a natureza, a intenção é melhorar a experiência dos nossos visitantes e tornar a visita ao Parque Bondinho Pão de Açúcar® ainda mais prazerosa e inesquecível. Sem dúvida, a nova atração será única e com uma vista espetacular, permitindo uma imersão em um dos cenários naturais mais icônicos do Rio de Janeiro. Queremos que todos os espaços sejam usados com consciência e responsabilidade, levando momentos de felicidade a todos que queiram apreciar as belezas naturais que o Parque tem para oferecer.
A tirolesa será um grande ativo para o Rio e fomentará o turismo sustentável de qualidade e com acessibilidade, não somente na cidade, mas no Brasil. Nosso objetivo é atender, simultaneamente, às necessidades dos turistas e das comunidades receptoras, protegendo o meio ambiente e ampliando as oportunidades de desenvolvimento econômico-social para o futuro. Além de gerar empregos, diretos e indiretos, ela trará repercussão internacional positiva, que atrai cada vez mais turistas para o Brasil, fomentando a economia.
Turistas em geral e a sociedade brasileira como um todo, especialmente cariocas e todos os moradores da cidade. A economia e o meio ambiente também serão beneficiados, visto que a tirolesa servirá como referência para que outras iniciativas no Brasil, com foco no turismo sustentável e na acessibilidade, ganhem mais força e consigam se tornar realidade.

Serão quatro linhas que vão ligar o morro do Pão de Açúcar ao Morro da Urca, em um trajeto de 755 m, atingindo uma velocidade de até 100 km/h.

Os cabos da tirolesa do Parque Bondinho foram produzidos por um fornecedor internacional: a fabricante suíça Fatzer, uma empresa do grupo BRUGG, com mais de 185 anos de experiência em produção de cabos de alta qualidade. É o mesmo fornecedor dos cabos do bondinho. Os cabos possuem tecnologia única e com elevados padrões de segurança. Sua camada externa foi projetada com objetivo de reduzir ao máximo as vibrações. Adicionalmente, a espessura dos cabos foi idealizada para que houvesse maior integração com a paisagem, gerando a mínima intervenção visual nos elementos naturais da área e do entorno.

Sim. O projeto aprovado pelos órgãos licenciadores respeita as normas estipuladas e contempla um pequeno nivelamento da rocha para assentamento de passarelas de acesso ao público, com ampla acessibilidade.

Este nivelamento ocorreu em um mínimo trecho onde já existiam estruturas do Parque Bondinho anteriormente construídas, porém desativadas.

Sim. Este é um dos principais pilares do projeto, que busca garantir o amplo acesso ao ponto turístico (sinalização em braile, rampas, elevadores, dentre outros). A tirolesa terá acessibilidade, será segura e dará a oportunidade a pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida a usufruírem desta experiência única e imersiva.

O Parque Bondinho está em uma Unidade de Conservação da Natureza e todos os seus projetos buscam proteger ao máximo o meio ambiente. O impacto da instalação da tirolesa é mínimo e foi aprovado pelos órgãos ambientais competentes. As curvas do projeto respeitaram e se adaptaram ao posicionamento da maioria das árvores. Foi preciso realizar a remoção de apenas 14 árvores: a maior parte sendo espécies exóticas invasoras e 5 nativas de pequeno porte que não estão nas listas de espécies em risco, e em nenhuma delas foi encontrado qualquer vestígio de presença de animais (ninhos, colmeias…)

A supressão da vegetação foi devidamente autorizada e, como medida compensatória exigida pelo órgão ambiental competente, o Parque Bondinho, reforçando o seu compromisso com ações sustentáveis e respeitosas de preservação da flora local, vai realizar o plantio de 83 mudas de espécies nativas na área do MoNa.

Além disso, o Parque já adotou, espontaneamente, mais uma área de 10.000 m2 nos morros do Pão de Açúcar e da Urca, onde realizará ações rotineiras de manejo das espécies exóticas vegetais por meio da substituição destas por espécies nativas. Esta nova área está integrada aos demais 38.000 m² de área verde que já estavam sendo preservadas pela companhia.

Também serão implementadas ações de comunicação para valorizar e promover o Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca (MoNa) por meio de sinalização educativa para todos os visitantes.

Complementarmente, todos os guarda-corpos de vidro da atração contarão com o sistema de segurança “safe bird” que indicam visualmente para as aves, o vidro como uma barreira, evitando possíveis colisões.

Não. O funcionamento está normal, sem nenhuma alteração. Os horários de visitação seguem regulares. As obras estão sendo executadas em áreas com isolamento para segurança dos visitantes e colaboradores do Parque, buscando ter o mínimo impacto possível na experiência de todos durante o período de obras.

Além da grande integração com a natureza, a intenção é melhorar a experiência dos nossos visitantes e tornar a visita ao Parque Bondinho Pão de Açúcar® ainda mais prazerosa e inesquecível. Sem dúvida, a nova atração será única e com uma vista espetacular, permitindo uma imersão em um dos cenários naturais mais icônicos do Rio de Janeiro. Queremos que todos os espaços sejam usados com consciência e responsabilidade, levando momentos de felicidade a todos que queiram apreciar as belezas naturais que o Parque tem para oferecer.

A tirolesa será um grande ativo para o Rio e fomentará o turismo sustentável de qualidade e com acessibilidade, não somente na cidade, mas no Brasil. Nosso objetivo é atender, simultaneamente, às necessidades dos turistas e das comunidades receptoras, protegendo o meio ambiente e ampliando as oportunidades de desenvolvimento econômico-social para o futuro. Além de gerar empregos, diretos e indiretos, ela trará repercussão internacional positiva, que atrai cada vez mais turistas para o Brasil, fomentando a economia.

Foram realizados estudos de ruído por empresa especializada, com o acompanhamento da gestão do MoNa, onde foram simulados os sons característicos deste tipo de atração. O resultado dos testes mostra que, mesmo em condições extremas, o ruído produzido pela atração é imperceptível na circunvizinhança.

O limite da demanda segue sendo o mesmo, uma vez que a capacidade dos bondes que conduzirão os visitantes à tirolesa não será alterada.

Os ingressos para a tirolesa serão vendidos prioritariamente pela internet, e a atração exigirá o agendamento prévio de data e horário para sua utilização. Sua operação ajudará a distribuir e otimizar o fluxo de visitantes, tanto durante a semana, quanto ao longo do dia. Além disso, prevê-se um impacto na diminuição de “horários de pico” de visitação, gerando um efeito positivo no entorno do Parque e no bairro, como um todo.

Sim. O Parque Bondinho tem todas as autorizações e licenças necessárias para a instalação da tirolesa. Cumprimos os requisitos técnicos exigidos pelo Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca (MoNa) e pelos órgãos licenciadores: Instituto do Patrimônio Histórico Nacional e Artístico Nacional (IPHAN), Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Inovação e Simplificação (SMDEIS). A consulta à sociedade civil foi feita também por meio de seus representantes em conselhos consultivos e reuniões individuais, bem como por meio de pesquisa realizada com mais de 10.500 visitantes do Parque Bondinho.

A tirolesa também foi amplamente divulgada em diversos veículos relevantes da imprensa nacional, assim como no site, nas redes sociais e nas instalações do Parque Bondinho.

Licença de obras do Morro do Pão de Açúcar

Licença de obras do Morro da Urca

O Parque Bondinho Pão de Açúcar® é o teleférico mais antigo em operação do mundo e é uma referência no quesito segurança. A tirolesa seguirá mantendo os mesmos padrões elevados, já que este é um dos valores fundamentais e inegociáveis da empresa.

A estação de partida da tirolesa possui sistema triplo de segurança, com trava eletro-hidráulica, mosquetão com fita, cancelas automáticas com trava de segurança controladas por sistema eletroeletrônico; e na estação de chegada, há um sistema de frenagem que age de forma crescente e suave até a redução completa da velocidade, além de uma plataforma hidráulica para desconexão do passageiro. Os carrinhos (trolleys) conectados aos cabos da tirolesa possuem um sistema de limitação de velocidade por freio magnético.

Os visitantes da tirolesa passarão por um processo de pesagem – respeitando sua privacidade – para garantir que se enquadram nos limites de peso exigidos para a experiência. A atração contará também com sinalização e vídeo educativos no trajeto. Na etapa de equipagem, os visitantes precisarão acondicionar todos os seus pertences portáteis – tais como celulares, bolsas, carteiras, chinelos – em uma mochila acoplada à cadeirinha, além de utilizar um capacete equipado com um face shield – um tipo de visor transparente.

Nenhuma via será alterada com este projeto. No entanto, a chegada das vias da face oeste no Morro do Pão de Açúcar sofrerá um ajuste para o acesso dos escaladores às instalações do Parque Bondinho. Os escaladores serão conduzidos por um cabo de aço até o mesmo ponto de acesso das vias da face norte.

A tirolesa do Parque Bondinho será inaugurada em breve. Os valores da atração estão sendo estudados e serão informados no site oficial de vendas.

O projeto aprovado não prevê expansão de área ocupada, tampouco de aumento do total de área construída atualmente do Parque. Sua concepção visa uma integração harmônica com a paisagem e se dará somente nas áreas atualmente já ocupadas pela empresa.

A grande maioria das novas estruturas, sobretudo passarelas de acesso, é formada por unidades abertas e integradas ao ambiente, não caracterizando incrementos na área total construída do Parque.

O projeto tampouco prevê expansão da estrutura, limitando-se ao que já está devidamente planejado e aprovado pelos órgãos reguladores.

Os únicos projetos correntemente aprovados são os relacionados à tirolesa para o morro do Pão de Açucar e morro da Urca.

Sendo uma Unidade de Conservação e área tombada, qualquer projeto que envolva intervenção significativa em sua estrutura existente deve passar pelos órgãos reguladores para devida avaliação e aprovação.

Em seus mais de 110 anos de existência, o Parque Bondinho tem orgulho de sempre buscar novas soluções para seus visitantes e inovar, garantindo a melhor experiência possível de apreciação da beleza natural na qual está inserido. Sendo assim, por solicitação dos próprios órgãos de patrimônio, diversos outros estudos preliminares e modelos conceituais têm sido elaborados ao longo desta história com o objetivo de trazer uniformidade e melhorias no fluxo de visitação, dentre outros. Todos sempre seguindo o processo necessário e em conjunto com os órgãos reguladores. Por conseguinte, normalmente, mesmo em suas etapas iniciais, tais documentos encontram-se também disponíveis para acesso da população em geral. Muitos deles sequer sairão de suas etapas iniciais de concepção. Todos, porém, necessitariam passar por todas as etapas de ajustes e debates, tanto com os órgãos reguladores quanto com os demais representantes da sociedade civil.

Desta forma, quaisquer imagens ou documentos diferentes dos projetos relativos à tirolesa protocolizados nos referidos órgãos, não necessariamente serão desenvolvidos ou executados e, ainda que o sejam, certamente seguirão todas as etapas do processo de aprovação, podendo evoluir em suas características e principais premissas.